Dia 60!

Não vou dizer amo-te! Amo-te está longe do que por ti sinto e é um sentimento demasiado forte para se dizer assim ao de leve… Digo antes gosto de ti, por ti sinto um enorme carinho e afeição.

Entraste na minha vida quando nela não queria ninguém, quando julgava não voltar a ser capaz de sentir algum tipo de sentimento. Fizeste em mim ressuscitar sentimentos que pensava estarem mortos, que queria que estivessem mortos, que não queria sentir novamente.

Destruíste a “muralha” que batalhei para construir, fizeste-me sentir como já não me sentia à imenso tempo…

“Quem sabe isso quer dizer amor

Estrada de fazer o sonho acontecer”

Aquela Música

Oi!

Oi!

Vem cá, ouve e vê se você gosta. … …

Você quem criou?

Foi! O que achou?

Eu adorei! É perfeito.

É pra você.

Sabe aquela história de deixar se levar e ver do que dá? Então…

Levo comigo uma teoria que todos os dias eu durmo apaixonada por algo ou alguém. Seja meu ideal de estereótipo perfeito, seja uma criança adorável, seja uma casa, seja uma caneca, seja um poema, seja uma frase, seja uma memória que apareceu de repente. A paixão é assim, ela vem e passa.
Mas no último mês a última imagem que toma minha consciência antes de dormir é a paixão que criei por um olhar, um beijo, um toque, uma palavra, uma forma de abraçar, uma dança, um sorriso, uma gargalhada gostosa, aquele chegar junto devagarzinho, aquele comentário, aquela percepção. E se a paixão vai e passa, por que ela ainda não passou? Realmente existe algo entre a paixão e o amor que é inexplicável podendo apenas ser sentido. Eu estou assim. Sentindo.
Ontem eu dormi apaixonada por aquela música.

It’s complicated

Fico esperando que aconteça determinada cena, em uma festa, nenhuma das duas sóbrias. Alguma música que a gente conhece tocando. O momento vai ficar em câmera lenta, o som das vozes do meu lado vai sumir, eu vou fazer uma cara triste e olhar diretamente pra ela. A gente vai piscar devagar. Vai demorar um longo tempo, na minha cabeça, até eu desviar o olhar e sair. Vou esperar que ela venha atrás de mim, que puxe o meu braço e nem fale nada. Vai tocar Hero da Regina Spektor como plano de fundo dos meus pensamentos. Ela vai pegar nas minhas duas mãos e olhar pra mim. Vai respirar fundo. Abrir a boca e não saber o que falar. It’s alright, it’s alright, it’s alright. Vai me puxar pra mais perto, apertar mais firme as minhas mãos. I’m the hero of the story. Vai me beijar devagar, lento, como todas as outras vezes, mas mais sério. Don’t need to be saved. Eu vou lembrar da onde é essa música. She never saw it coming at all. Vou sair pro vento da rua, caminhar até um banco, ainda ignorando as vozes ao meu redor, olhar pra trás e ver que ninguém veio. Sentar, acender um cigarro, olhar pra cima. It’s alright, alright, alright.

Sorriso

É o que veio me falar desse novo amor.
Um dia, veio de manhã invadir meu quarto o sol. E era especial. Não foi o mesmo sol do dia anterior. E jamais há de ser a partir de agora.
Eu estou apaixonada. Estou falando por aí. Estou contando tudo e não estou nem aí. Com um coração na mão, eu deixo a mente livre pra onde quer que ela vá. E ela vai longe, do ridículo ao absurdo. Do mais brilhante ao mais apaixonante. E eu sei que as rosas irão me falar, que é exatamente aqui onde eu devo ficar.
Abro meus braços devagar, esperando você se encaixar. Com certeza é aqui onde eu vou me acabar. E um segundo do seu lado, são décadas de risos. Eu só queria te contar todos os meus segredos, mas você se tornou um deles.
Sabe quando você não consegue dormir porque fica pensando em uma só pessoa, imaginando vários momentos e fica nessa por horas e horas? Então isso é amor.
E hey, eu tenho um sonho. Só que ele é muito grande. Quer um pedaço dele pra ter o mesmo sonho comigo? É o que veio me falar desse novo amor.

Como você sorri o tempo todo?
-É que o sorriso só sai quando penso em você.

Talvez

Talvez eu devesse devorar seu corpo enquanto desvendo a sua alma, talvez eu devesse caminhar pelas mais perversas – e secretas – curvas mapeando um caminho só meu por entre tuas entranhas, talvez eu devesse sentir o gosto que você tem na minha língua e então devorar-te uma vez mais só para sentir em minha boca o gosto do teu mel. talvez eu devesse entrelaçar nossas mãos como cordas de um juramento perpétuo e solene e entre suspiros sôfregos assinar um contrato que perpetua tua essência em mim. talvez eu devesse enroscar-me em tuas pernas enquanto ocupo-me de seu prazer, talvez eu devesse deixar os resquícios de nosso suor matar a sede um no outro, talvez eu devesse marcar tua pele como se fosse minha, talvez eu devesse te revirar do avesso de fora pra dentro, do teu ventre pra fora. talvez eu devesse no sentido mais literal da palavra te comer e saborear, talvez eu devesse então te idolatrar como uma musa dessas de cinema, talvez eu devesse beijar cada parte do teu corpo e por fim talvez, eu devesse conhecer teu fogo. e me queimar nele.

Desejo

Não desejo que te seja dada a carga mais leve; nem que seja o mais plano o teu caminho. Porque as vantagens de hoje podem enfraquecer o caráter, gerando o sofrimento de amanhã.

Nem que a vida te ofereça apenas as frutas mais doces. Porque é preciso que conheças todos os sabores, para que possa aprimorar-se o teu paladar; só quem conhece o castigo da sede, pode avaliar a dádiva da água.

Não desejo que sejas a mais bela. Porque a beleza do corpo não passa de uma ilusão dos sentidos e a vaidade está entre os maiores perigos que enfrenta o nosso verdadeiro Eu.

Não te desejo muitas posses, nem a ilusão da riqueza. Porque não é nos bens materiais que encontramos a felicidade, mas na paz interior, que nos reconduz ao Coração do Universo.

Desejo, sim, que possas percorrer o teu próprio caminho. E que te possamos ajudar, ao menos no início da jornada. Pois outro não deve ser o anseio daqueles que amam.

Que o amor esteja sempre em teu coração. Porque ele te indicará o rumo certo, guiando os teus passos para as melhores escolhas. E, ainda que por vezes te faça chorar, também fará nascer em teus lábios os mais doces sorrisos.

Que a honestidade possa sempre estar em ti. Para que não conheças o medo que acompanha a mentira, nem precises esconder os teus pensamentos atrás de palavras vazias.

Que o carinho dos entes amados te envolva. Porque nada pode existir de mais triste que a solidão absoluta; e ninguém atravessa o deserto de suas carências sem fortalecer-se, ainda que por instantes, no oásis da companhia.

Que ames e respeites a teu pai e tua mãe. Pois com amor te fizeram nascer e sempre te haverão de proteger, como a planta protege a semente que um dia trouxe ao mundo.

Que esteja tranquila a tua consciência. Pois outro não é o segredo das noites bem dormidas, da confiança no futuro e da alegria de viver, que se renova nos justos, a cada nova manhã.

Que sempre te encantem as flores, as canções, as paisagens e os aromas; a beleza, sob todas as suas formas. Para que não fale apenas ao teu corpo, mas possa alcançar o teu verdadeiro Eu.

Que sejas capaz de apreciar o nascer do sol e a magia do crepúsculo; o cheiro da terra molhada e o encanto selvagem do deserto. Porque assim descobrirás que a Vida se renova em todos os dias e existe em todos os lugares.

Que possa a Fé preencher a tua alma. Porque aquele que crê não conhecerá o desespero, mas encontrará em cada filho a certeza da existência do Pai, que provê a todas as nossas necessidades.

E haverá de acompanhar-te, querida, por todo o caminho.

Sobre Amor

Quando falo de amor, posso dizer que falo de coração cheio. Poderia morrer daqui a pouco sentindo que amei e fui amada.

Não importa quanto tempo durou, na certeza porém, foi intenso. Não importa se mais tarde veio a sensação de ilusão e as incongruências da pessoa, mas enquanto aconteceu – cada um dos amores – foi real, foi verdadeiro, foi sentido. Existiu e viveu-se cada um como se fosse o primeiro, como se tivesse sido o único. Porque no amor, como em tudo, o que importa é o momento e a vontade também.

Verão

Era Verão quando o amor veio de visita. Chegou sem aviso, pegou-lhe nas mãos e beijou-lhas.

Não se importou com detalhes. Quis ficar aninhado no seu coração e assim o fez, adoçando-lhe os dias com ternura e inflamando-lhe as noites com impetuosidade.

Mal Acostumada

… mas eu nem ligo mais se alguem descobrir. – dizia ela – e continuava –

eu quero assim. Se é pecado, não me importa, eu pago quando for a hora, se precisar.

Não quero mais nada, apenas os momentos que a gente pode ter. Não abro mão .Quando saio daqui,

a vontade é voltar. Quando chego em casa meu corpo não aceita ninguem mais. Perdeu a graça,

o encanto, a vontade. Não posso fazer nada. Conto as horas pra voltar aqui. Voce me acostumou mal.

Hoje não quero o basico, o pouco, o nada, o simples, o comum. Tenho medo de admitir isso,

mas está assim. Quero sempre mais. Mais forte, mais molhado,, mais tempo, mais manchas no corpo

e na alma, Mais isso, mais aquilo. Mais, mais, e mais. Voce me acostumou assim. O resto agora

é pouco, não interessa, nem existe mais.

Tentei retrucar, tentei colocar uma reação diferente. Mas ela não deixava eu falar.

E faminta. Mordia meus lábios e apertava meu corpo como se fosse um prato de comida…