Talvez

Talvez eu devesse devorar seu corpo enquanto desvendo a sua alma, talvez eu devesse caminhar pelas mais perversas – e secretas – curvas mapeando um caminho só meu por entre tuas entranhas, talvez eu devesse sentir o gosto que você tem na minha língua e então devorar-te uma vez mais só para sentir em minha boca o gosto do teu mel. talvez eu devesse entrelaçar nossas mãos como cordas de um juramento perpétuo e solene e entre suspiros sôfregos assinar um contrato que perpetua tua essência em mim. talvez eu devesse enroscar-me em tuas pernas enquanto ocupo-me de seu prazer, talvez eu devesse deixar os resquícios de nosso suor matar a sede um no outro, talvez eu devesse marcar tua pele como se fosse minha, talvez eu devesse te revirar do avesso de fora pra dentro, do teu ventre pra fora. talvez eu devesse no sentido mais literal da palavra te comer e saborear, talvez eu devesse então te idolatrar como uma musa dessas de cinema, talvez eu devesse beijar cada parte do teu corpo e por fim talvez, eu devesse conhecer teu fogo. e me queimar nele.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s